Marco legal de Inteligência Artificial é apresentado na Câmara dos Deputados

Projeto de Lei para Marco Legal da Inteligência Artificial no Brasil propõe regras para o uso de IA e incentivos para a realização de novas pesquisas na área.

Reportagem da revista TI Inside apresenta o Projeto de Lei 21/20 (que cria o marco legal do desenvolvimento e uso da inteligência artificial – IA), que visa o poder público, por empresas, entidades diversas e pessoas físicas, foi apresentado na Câmara dos Deputados. O texto, que ainda deve ser analisado por diversas comissões, estabelece princípios, direitos, deveres e instrumentos de governança para a AI.

Entre outros pontos, a proposta estabelece que o uso da IA terá como fundamento o respeito aos direitos humanos e aos valores democráticos, a igualdade, a não discriminação, a pluralidade, a livre iniciativa e a privacidade de dados. Além disso, a IA terá como princípio a garantia de transparência sobre o seu uso e funcionamento.

Autor do projeto, o deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE) disse que o objetivo é dotar o País de uma legislação que, ao mesmo tempo, estimule a inteligência artificial e proteja os cidadãos do mau uso dela. “Precisamos de uma edição de legislação tornando obrigatórios os princípios consagrados no âmbito internacional e disciplinando direitos e deveres”, disse.

O PL prevê a figura do agente de AI, que pode ser tanto o que desenvolve e implanta um sistema inteligente (agente de desenvolvimento), como o que opera (agente de operação). Os agentes de AI terão uma série de deveres, como responder, legalmente, pelas decisões tomadas por um sistema de inteligência artificial e assegurar que os dados utilizados respeitam a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). A norma regula o tratamento de dados pessoais de clientes e usuários de empresas do setor público e privado.

Fonte: TI Inside (Leia na íntegra a matéria em https://tiinside.com.br/04/03/2020/marco-legal-de-inteligencia-artificial-e-apresentado-na-camara-dos-deputados/ )

#Profissões: tendências para 2020 e empregos do futuro

Pesquisas apontam carreiras em alta e os trabalhos que irão surgir na próxima década. Confira!

Impulsionada pelas inovações tecnológicas, as profissões têm se transformado. Novas funções estão surgindo, e o papel do executivo vem se desenhando em meio às disrupções provenientes do mundo pós-moderno.

Conforme a tecnologia propicia facilidades, outros campos de trabalho surgem, com profissões inovadoras, exigindo pessoas capacitadas para tal função. Tendo isso em vista, estudos apontam que as principais atividades para o ano de 2020 são dos setores ligados à tecnologia.

Áreas em foco

Além de saber quais os ofícios específicos tendem a ser mais valorizados, é importante conhecer as áreas que se destacam. Segundo a Fundação Instituto de Administração (FIA), os setores que entram em cena são:

Tecnologia: Essa é a mais óbvia e inegável, pois no dia a dia das organizações e da vida pessoal há cada vez mais inovações e dispositivos que trazem facilidades tanto para a área empresarial quanto para pessoal. Deste modo, as profissões associadas à programação ganham destaque, sobretudo, as que focam em linguagens relacionadas à automação, internet das coisas, inteligência artificial e machine learning.

Dados: O mesmo cenário tecnológico nos traz ao mundo da big data, em que há o crescimento de coleta e processamento de dados, contudo,  o enfoque fica também para análise estratégica de dados obtidos na tomada de decisões de uma empresa.

Compliance: O público consumidor mudou, está mais exigente e consciente do impacto socioambiental que a economia produtiva provoca no planeta. Deste modo, profissionais de compliance, área que se ocupa de garantir que a empresa cumpra as leis e regulamentações referentes à sua atuação, tem sido cada vez mais procurada.

Áreas em ascenção

A equipe Cognizant, que é uma das maiores empresas de tecnologia de informação do mundo, se baseou em macrotendências atuais em diversas áreas, como:  meio-ambiente, migração, biotecnologia e demografia para criar as possibilidades. Segundo os autores, o trabalho vai mudar no futuro, mas não irá sumir. Em sua pesquisa elencam 21 profissões, que irão ser importantes para o futuro. Abaixo destacamos algumas:

Oficial de ética de sourcing:

Este profissional investiga, acompanha e negocia acordos de bens e serviços para garantir que gastos indiretos da empresa (em energia, restos e relações sociais) estejam alinhados com os padrões de ética de seus stakeholders. Para isso é preciso ter experiência com ética em ambientes corporativos, habilidades interpessoais e de comunicação, capacidade de trabalhar em grupo. Conhecimentos de negócios, lei, gestão pública ou filosofia são diferenciais.

Detetive de dados:

Investiga mistérios em Big Data. Para atuar nesta área, basta saber sobre finanças, matemática e Data Science, mas ser um cientista de dados é necessário.

Mestre de edge computing:

Este profissional cria, mantém e protege o ambiente de edge computing. É necessário possuir doutorado em áreas relacionadas, experiência com segurança e protocolo de internet das coisas (IoT), entre outros assuntos. Capacidade de arquitetar e projetar ambiente de computação em nuvem ou edge computing.

Walker/ talker:

Profissional autônomo, como motoristas de Uber. Passa tempo com clientes idosos através de uma plataforma online para escutá-los e conversar com eles. Sua principal tarefa como walker/talker é prestar atenção. Qualquer background será considerado. É preciso ter mobilidade para visitar clientes em casa quando for necessário.

Conselheiro de compromisso de saúde:

Trabalha remotamente para oferecer coaching individual e conselhos de bem-estar e saúde para usuários de pulseiras inteligentes, que monitoram suas atividades e sinais físicos. Ter experiência com nutrição ou educação física e credenciais (obtidas em cursos online) em modalidades esportivas como CrossFit ou Yoga. Saber lidar com ambientes culturalmente diversos também é necessário.

Fontes:

GuiaCarreira
Fia
Epocanegócios
Napratica.org
cognizant.com/futureofwork

O que esperar quando o assunto é o retorno das férias?

Nem sempre a volta do recesso é como o esperado, mas importantes atitudes podem melhorar a retomada as atividades

Encontrar projetos alinhados, problemas resolvidos e a equipe fluindo pode ser o sonho de todo executivo que retorna das férias. Muitos são os profissionais que neste período não conseguem se desligar dos compromissos da sua empresa e, quando voltam ao setor, ficam mais estressados. A volta às aulas também pode ser melhorada com uso de planejamento e treinamento da mente.

Uma pesquisa, publicada no portal Economia Estadão, da Isma-BR International Stress Management Association, com executivos de São Paulo e Porto Alegre, teve um resultado curioso. O estudo aponta que 38% dos entrevistados tinha algum grau de fobia de férias, um número relevante que destaca uma fonte de estresse no período. Segundo a pesquisa, no final de 30 dias de férias, apenas 10 são realmente aproveitados, explica Ana Maria Rossi, presidente brasileira Isma-br. A razão levantada seria as decisões tomadas em sua ausência.

Planejamento

De acordo com especialistas, o apoio e o planejamento podem ser o segredo para um retorno feliz às atividades. Em publicação ao portal Economia Estadão, Geronimo Theml, especialista em produtividade e desenvolvimento humano, diz que a pergunta que cada pessoa deve fazer antes do recesso é: o que eu preciso deixar pronto para que tenha uma pausa tranquila?  A dica, segundo Geronimo, é desconectar do trabalho e colocar alguém capacitado para responder por você. A partir dessa decisão, a pessoa “substituta” avaliará se cabe interromper ou não o seu descanso.

Theml ainda comenta que colaboradores de alto nível de comprometimento acabam se sentindo responsáveis pelo trabalho mesmo em férias e se sentem inseguros em relação à equipe. Já para Cecília Belele, diretora regional da empresa de serviços de e-mail Return Path para America Latina, em matéria no Economia Estadão, o apoio da empresa é essencial para que o profissional possa realmente tirar seus dias de recesso.

Mais férias, mais qualidade de vida?

Tirar aquele tempo para relaxar pode contribuir muito para sua criatividade, como também para o foco. Uma pesquisa revelou que a pausa do trabalho pode contribuir para viver mais e com qualidade. O estudo realizado com 1.222 executivos mostrou que tirar períodos de férias mais curtos está associado a uma maior taxa de mortalidade. A partir da pesquisa, foi identificado que executivos que costumavam tirar três semanas ou menos de férias ao longo do ano tiveram 37% mais chances de morrer. Esse grupo apresentava um estilo de vida mais intenso, com maior carga horária de trabalho e menor tempo de sono. Vale ressaltar que tal resultado não era influenciado pela adoção de hábitos de vida mais saudáveis por parte desses executivos, mostrando que uma pausa real do trabalho é fundamental para que se possa relaxar e combater de maneira mais eficiente os efeitos negativos do estresse.

Além disso, os testes foram realizados com homens que apresentavam ao menos um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como tabagismo, pressão alta, colesterol alto, triglicerídeos elevados, intolerância à glicose e sobrepeso. Ainda assim, os resultados da pesquisa são relevantes, já que muitos desses fatores são comuns de serem identificados no ambiente corporativo.

A cultura

Existe uma cultura, no meio corporativo, de que férias prolongadas são associadas à falta de interesse do colaborador. Além disso, muitos profissionais temem que a sua própria ausência possa ser um fator de risco para que outro profissional entre em seu lugar ou execute melhor suas atividades.

Indo contra tal corrente, muitas empresas já estão atentas à importância da qualidade de vida de seus profissionais e à relevância de focar em mais estratégias que promovam o bem-estar do colaborador para o alcance de bons resultados para a companhia. E isso inclui o prazer de tirar férias com apoio da organização.

Fontes:

Economiaestadão
Empregosecarreiras
Escardio.org

Profissões em alta para 2020 segundo LinkedIn

As 15 profissões mais promissoras de 2020, segundo o LINKEDIN

A rede social listou 15 profissionais com mais oportunidades no mercado de trabalho

No começo do mês de janeiro, o LinkedIn listou as 15 profissões emergentes de 2020, nove delas ligados à Tecnologia da Informação e da Comunicação. O resultado dessa lista baseia-se em dados de perfis públicos de usuários que tenham ocupado um ou mais cargos nos últimos cinco anos no Brasil.

Para concretizar o relatório, a rede social relacionou as profissões com mais movimentação e, então, realizou um cálculo de crescimento, que levou em consideração o número de contratações a aumento da taxa de procura. Gestor de mídias sociais aparece como o cargo mais crescente no mercado, com um aumento anual de 122% em média, considerando os anos entre 2015 e 2019. O site atenta para a profissão de motorista em 10º lugar, cujo aumento está relacionado à popularização de aplicativos.

Confira a lista a seguir:

1. Gestor de mídias sociais, crescimento médio anual de 122%;

2. Engenheiro de cibersegurança, crescimento médio anual de 115%;

3. Representante de vendas, crescimento médio anual de 109%;

4. Especialista em sucesso do cliente, crescimento médio anual de 79%;

5. Cientista de dados, crescimento médio anual de 78%;

6. Engenheiro de dados, crescimento médio anual de 75%;

7. Especialista em Inteligência Artificial, crescimento médio anual de 73%;

8. Desenvolvedor em JavaScript, crescimento médio anual de 72%;

9. Investidor Day Trader, crescimento médio anual de 69%;

10. Motorista, crescimento médio anual de 68%;

11. Consultor de investimentos, crescimento médio anual de 61%;

12. Assistente de mídias sociais, crescimento médio anual de 60%;

13. Desenvolvedor de plataforma Salesforce, crescimento médio anual de 58%;

14. Recrutador especialista em Tecnologia da Informação, crescimento médio anual de 56%;

15. Coach de metodologia Agile, crescimento médio anual de 53%.

Fonte: LinkedIn / IT4CIO

5 VERDADES SOBRE O EXCEL

Trabalhar com planilhas é uma das formas de melhorar a produtividade na hora de resumir informações e gerar relatórios do dia a dia. O Excel traz consigo uma gama de funcionalidades que ajudam nesse aumento da produção de qualquer profissional. Por isso, trago algumas verdades sobre o uso do Excel na prática.

Verdade nº 1 – Tudo em um!

Ao mesmo tempo que você pode criar uma planilha para controlar dados como o horário dos funcionários, agenda de eventos e compromissos, controle financeiro de contas a pagar e receber, por exemplo, você pode criar planilhas com todas essas funcionalidades dentro de um mesmo arquivo.
O Excel cria arquivos como pastas, por isso chamamos cada arquivo de pasta de trabalho. Nesta pasta é possível arquivar várias planilhas, tendo elas alguma conexão ou não. Caso você lide com vários dados por dia, pode concentrar esses dados em um mesmo arquivo, contendo N diferentes planilhas, desde que bem organizadas para não se perder com tanta informação.

Verdade nº 2 – O Excel ensina

É possível aprender muito do uso do Excel com a própria interface dele. Assim como os demais programas do pacote Office, ao parar o ponteiro do mouse sobre um item na tela, o Excel dá uma pequena explicação sobre para que serve aquilo. Outra grande funcionalidade, é que o uso de fórmulas também é sugerido, ou seja, quando você clica em uma célula e digita o sinal de igual = o programa sugere as fórmulas e te diz para que serve e também a estrutura (sintaxe) de cada fórmula.

Verdade nº 3 – Atalhos para tudo!

Outra grande vantagem do Excel são seus atalhos. Funcionalidades como ir para a última linha ou coluna, selecionar todas as células com dados apenas, inserir alguma nova informação e etc, tudo pode ser feito com ATALHOS! Utilizando as teclas CTRL (Control), Shift e Alt, muitas portas se abrem para você. (saiba mais sobre atalhos clicando aqui – link para postagem sobre atalhos).

Verdade nº 4 – Salve-me!

Com a nova versão do pacote Office (com a licença do Office 365), as versões a partir do Office 2016 estão habilitando a opção de salvamento automático. Com essa opção acionada, você não precisa mais se preocupar em ficar clicando CTRL + B para salvar. Porém, cuidado. Se você tiver a intenção de abrir um arquivo para alterá-lo, lembre-se que toda alteração será salva, e os dados originais serão perdidos caso não seja feita uma cópia (o que é sempre indicado).

Salvamento automático do Excel – Foto: Reprodução/ Daniel Brandão.

Verdade nº 5 – Online e Offline

É possível começar a editar uma planilha em seu computador, mesmo não estando online, e posteriormente terminar de editar na versão online do Excel. Essa funcionalidade também garante que você possa compartilhar o arquivo com outras pessoas para que ambos possam trabalhar colaborativamente no mesmo arquivo. Lembrando que uma pasta de trabalho compartilhada garante acesso a todos os conectados a ela, logo, qualquer um dos envolvidos pode alterar os dados nela e com isso os valores originais podem ser perdidos. (OBS: é possível compartilhar uma planilha apenas para visualização, não permitindo a edição por parte de quem recebe).

Verdades claras

Talvez você já soubesse dessas ou de algumas das verdades citadas, mas é sempre bom lembrar como o Excel trabalha de forma a auxiliar na produtividade de pessoas e profissionais em seu dia a dia.


Quer receber em primeira mão conteúdos como este, além de dicas, e-books de Excel? Deixe um comentário abaixo dizendo

EU QUERO!

Fixando célula em uma fórmula no Excel

Como fixar o valor de uma célula em uma fórmula no EXCEL?

Essa dica vai para quem quer realizar cálculos em várias células diferentes mas se baseando em um mesmo valor.

No Exemplo da imagem, estamos calculando quantos porcento cada Total (coluna E) representa do total de vendas feitas em um período. Para chegar nesse valor, dividimos o TOTAL de cada produto (coluna E) pelo TOTAL VENDA(célula E6).

Ao utilizarmos o símbolo de cifrão ($) antes do valor de uma célula, fixamos o valor dela, podendo, assim, arrastar a fórmula para uma outra célula. No nosso exemplo, a fórmula da célula F2 é a divisão do valor da célula E2 com o total do somatório dos produtos vendidos (célula E6).

Logo, esse $ faz toda a diferença, fazendo com que você possa aplicar a fórmula na célula F2 e depois arrastando ela para as demais abaixo (de F3 até F5 e além).

GOSTOU DA DICA? FICOU NA DÚVIDA? DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO.

5 cursos online gratuitos da USP com foco em Python, Big Data e UX

Para aqueles que estão buscando renovar a carreira em TI ou mesmo começar um curso para trabalhar na área, há uma série de opções online – e gratuitas. A Universidade de São Paulo (USP), por exemplo, disponibiliza cursos online com foco em tecnologia da informação (TI), ciência da computação, Big Data e outros temas relacionados.

Entre as opções está o curso de linguagem Phyton, que ensina noções básicas da linguagem de programação para que o usuário desenvolva pequenos programas nessa linguagem. Segundo a instituição, “o objetivo principal é desenvolver o raciocínio aplicado à formulação e resolução de problemas computacionais”. Ao término do aprendizado, o aluno pode cursar a segunda parte do curso voltado à programação em Phyton.

Outro módulo disponível é a introdução ao Big Data, voltado para usuários “que desejam entender de forma fácil o que é Big Data, conhecer algumas tecnologias de Big Data, ter acesso a algumas aplicações de Analytics, Internet das Coisas – IOT e de Big Data”. O usuário também é inserido em um projeto de conclusão do curso, que consiste em um projeto de Big Data elaborado com estratégias e análises de dados.

Os cursos não possuem pré-requisitos – basta apenas completar um cadastro na plataforma Coursera, que também é gratuita -, nem experiência prévia em programação. A única “cobrança” é que o aluno domine conceitos básicos de matemática do ensino fundamental. Além disso, cada módulo leve em média 31 horas para ser completado, porém esse tempo é amplamente dividido em diversas subcategorias.

Clique nos links abaixo para acessar os cursos gratuitos da USP:

Introdução à Ciência da Computação com Python Parte 1

Introdução à Ciência da Computação com Python Parte 2

Introdução ao Teste de Software

Introdução ao Big Data

UX / UI: Fundamentos para o design de interface

Fonte: Computer World