Design Responsivo e Experiencia do Usuário (UX)

Equipes de desenvolvimento tem trabalhado para desenvolver sites para diferentes dispositivos, mas para que se tenha êxito em um projeto web é preciso levar em consideração não apenas o conteúdo em si, mas também o design e a performance de usabilidade em cada tipo de dispositivo.

Definindo um design responsivo
Web Design Responsivo (WSR ou RWD em inglês) é o desenvolvimento web alinhando mudanças dinâmicas na aparência da página, de acordo com o tamanho e orientação do display utlizado. Por exemplo, uma pagina para ser considerada responsiva deve se adaptar tão bem na tela de um smartfone, como em tablets e computadores convencionais. Para isso, o design responsivo é utilizado para parear as diversas plataformas, tendo assim a tarefa de oferecer o mesmo conteúdo aos vários usuários de um site na web.

Esta solução é providencial para que não precisem ser criadas várias páginas com código fonte diferente para um mesmo conteúdo, dando um retrabalho para a equipe de desenvolvimento. Além de demandar tempo e investimento maior por parte de quem estiver por trás do projeto.

Sendo feito desta forma, o mesmo código HTML serviria para vários dispositivos, usando apenas o CSS para mudar a aparência da página de acordo com cada caso. Isso se torna transparente ao usuário, que praticamente não notaria a diferença ao acessar em diferentes dispositivos.

No design responsivo, o projeto é ágil, os elementos da página se modelam de acordo com a resolução da tela, aumentando ou diminuindo tanto imagens como textos. O projeto Responsivo conta com grids baseadas em proporção para reorganizar o conteúdo e elementos de design. As colunas diminuem ou aumentam em relação a uma tela de Smartfone, Tablet ou Notebook por exemplo.

Adaptável as novas tecnologias
Por ser modular, a performance das páginas estariam disponíveis a mudanças mesmo com o surgimento de novas tecnologias. Trabalhando responsivamente, os conteúdos podem se adaptar a inteligencia em óculos e relógios, objetos que estão sendo desenvolvidos nos últimos tempos e em breve devem se tornar populares, a exemplo dos tablets e demais portáteis.

Concluindo
O design responsivo é uma ferramenta, e como todas as outras requer cuidado. Se preocupar apenas com a aparência e deixar o conteúdo de lado, ou vice-versa, não pode ser o ponto final. As equipes de desenvolvimento devem sempre cuidar desta fusão, preocupando-se com o conjunto Conteúdo x Design x Performance. A usabilidade deve ser o carro-chefe, pois o usuário do outro lado do código sempre será o foco principal em um projeto web.

Guia do Front-end das galáxias

Oi pessoal!

Hoje trago uma dica de leitura boa para quem é ou deseja se tornar, assim como eu, um bom desenvolvedor front-end. Para quem não sabe, um front-end é o responsável pela parte amigável do site, as funcionalidades de interação com o usuário (a grosso modo).

Essas dicas valem ouro, e o nobre Davidson Fellipe (@davidsonfellipe) entrega de mão beijada em um slide ‘da hora’. Sirva-se a vontade.

Introdução a Banco de Dados

Olá pessoal!

Estou aqui desta vez para postar um material (slides) falando sobre banco de dados. Trata-se de uma introdução aos conceitos gerais em BD, metadados, os tipos de bancos, relacionamentos e etc.

Fiquem a vontade para usar, compartilhar e indicar este material a quem precisar e para a ocasião que tiverem. Agradeço desde já pelos comentários e compartilhamentos. Qualquer dúvida pode perguntar pelos comentários ou nas redes sociais que responderei assim que for possível.

CSS – Trabalhando com Folhas de estilo na web (introdução)

Olá pessoal!

Estou voltando a trazer um conteúdo para quem está iniciando os estudos em criação de sites. Neste tópico, trago um slide com uma introdução ao CSS, as famosas folhas de estilo, item hoje indispensável no desenvolvimento de conteúdo para a web.

Desde já agradeço sua visita e espero que seja proveitoso o conteúdo. Em breve disponibilizaremos mais materiais em slides, PDF e vídeos no Youtube. Fique a vontade para perguntas, críticas e/ou elogios nos comentários ou através do e-mail professordanielbrandao@gmail.com

Organizações querem tornar a Web mais segura, criptografando todos os sites

Mozilla Corporation, Cisco Systems, Akamai Technologies, Electronic Frontier Foundation, IdenTrust, e a Universidade de Michigan estão por trás da fundação da autoridade certificadora Let’s Encrypt. O objetivo é tornar a Web mais segura, facilitando e acelerando o uso do protocolo HTTPS (HyperText Transfer Protocol Secure ou protocolo de transferência de hipertexto seguro), uma implementação do protocolo HTTP sobre uma camada adicional de segurança que permite que os dados sejam transmitidos por meio de uma conexão criptografada e que se verifique a autenticidade do servidor e do cliente por meio de certificados digitais.

Embora o protocolo HTTP tenha sido extremamente bem sucedido na tarefa de viabilizar o funcionamento da Web, ele é inerentemente inseguro. Sempre que usamos um site HTTP estamos vulneráveis a problemas como invasão de contas e roubos de identidade; fiscalização e acompanhamento por parte dos governos, empresas, ou ambos; injeção de scripts maliciosos em páginas Web; e censura que tenham como alvo palavras-chave específicas ou páginas específicas. Embora o protocolo HTTPS ainda não possa ser considerado perfeito, ele já representa uma grande melhoria em todas essas frentes. Razão pela qual as entidades e empresas criadoras da Let’s Encrypt desejem universalizar o seu uso, transformando-o em padrão.

Na opinião de muitos dos fundadores da Let’s Encrypt, os maiores obstáculos para a implementação HTTPS têm sido a complexidade e a burocracia no processo de adoção do protocolo, e os custos dos certificados. Frentes nas quais a nova autoridade certificadora deve atuar. A aquisição, instalação e atualização dos sites para uso do protocolo devem ser automatizadas. A intenção é reduzir o tempo médio para configuração, hoje de 3 horas, em média, para algo entre 20-30 segundos. Para isso, a Let’s Encrypt vai empregar uma série de novas tecnologias para gerenciar a verificação de domínios seguros e a emissão de certificados.

“Vamos usar um protocolo que estamos desenvolvendo, chamado ACME, entre servidores web e os da autoridade certificadora, incluindo suporte para novas e mais fortes formas de validação de domínio e de documentação”, afirma a EFF. E o certificado sairá de graça. A Let’s Encrypt deve começar a operar a partir do primeiro trimestre de 2015.

Fonte: http://idgnow.com.br/blog/circuito/2014/11/20/organizacoes-querem-tornar-a-web-mais-segura-criptografando-todos-os-sites/

Vídeo! Engenharia de Software – questões para concurso

Olá pessoal.

Post rápido apenas para indicar um vídeo de questões de engenharia de software para concursos públicos na área de TI.

Segue o link do vídeo. Se gostar, dá uma CURTIDA no vídeo e compartilhe em suas redes sociais!! 🙂

NOVO! Boas práticas na criação web – introdução

Olá pessoal!

É com muito prazer que anuncio que irei retomar algumas dicas e tutoriais do meu blog. A partir de agora irei postar materiais já publicados anteriormente e itens inéditos baseados em continuações dos assuntos já tratados no blog.

Como retorno, posto aqui um material meu em formato .PDF que está disponível no Slideshare. Uma introdução para os que estão iniciando em desenvolvimento de sites. Boas práticas na criação web é uma introdução ao assunto e espero que possa auxiliar quem ler.

Esperem coisas novas e dicas sobre programação web daqui por diante!