#AdeusPaint: Microsoft anuncia aposentadoria do Paint

O Paint, ferramenta de desenho que viu muitas casas, árvores e bonecos de palito nos últimos 32 anos, terá seu desenvolvimento interrompido pela Microsoft. Ele já está sendo listado como um recurso descontinuado no Windows 10 Fall Creators, que será lançado até o final do ano.

A Microsoft confirma que o Paint será removido das próximas versões do Windows 10, mas ainda poderá ser baixado a partir da Loja.

O anúncio foi inicialmente feito sem alarde, em um artigo de suporte que lista as funcionalidades removidas ou descontinuadas (“deprecated”) da próxima atualização do Windows 10. Como explica a Microsoft, o Paint é classificado como um produto que “não está em desenvolvimento ativo e pode ser removido em versões futuras”.

O aplicativo de desenho foi lançado em 1985, no Windows 1.0, e recebeu atualizações pontuais desde então: a mais significativa foi em 2009, no Windows 7, quando ele ganhou novos formatos de objetos com anti-aliasing (o fim das elipses serrilhadas!), pincéis artísticos e uma interface renovada.

Mas o Paint acabou tendo seu lugar tomado pelo Paint 3D, lançado no Windows 10 Creators Update, que é mais amigável ao toque e possui ferramentas para fazer desenhos tridimensionais — então sua aposentadoria já era esperada. O Paint 3D chegou a substituir o Paint em versões de desenvolvimento do Windows 10 em 2016, mas a Microsoft voltou atrás e deixou que os dois aplicativos coexistissem.

Além do Paint, a Microsoft está aposentando a ferramenta para criação de imagem de sistema e o PowerShell 2.0. Enquanto isso, programas como o Leitor3D Builder e Outlook Express serão totalmente removidos.

O Windows 10 Fall Creators Update será lançado no segundo semestre, provavelmente em setembro ou outubro.

Matéria publicada no Tecnoblog

Anúncios

Google Hire, um novo rival para o LinkedIn

Google Hire permite agregar dados e material sobre candidatos espalhados pelo Gmail, Docs, Calendar e etc numa única plataforma (Foto: Divulgação/Google)

Hire é o novo produto do Google para organizar o processo de contratação de talentos e novos profissionais para pequenos e médios negócios. A ideia da ferramenta é servir de alternativa ao LinkedIn, com a vantagem de oferecer grande integração com a suíte de aplicativos da Gigante das Buscas. O serviço permite que informações sobre os candidatos sejam de fácil acesso e visualização, tornando mais simples a seleção de candidatos por profissionais do RH.

Integrado aos outros produtos do Google, como Gmail, Calendar e Planilhas, o Hire é destinado a empresas como uma plataforma de gerenciamento do processo de seleção — principalmente para empresas que não têm orçamento para contratar serviços mais específico desse mesmo gênero. A novidade, que passou um ano em fase de testes, tem suas atividades limitadas aos Estados Unidos, no momento.

Profundamente integrado à G Suite, o Google Hire depende de assinatura para ser utilizado. Com o serviço, uma companhia pode acompanhar o agendamento de uma entrevista, ter acesso a informações de contato do candidato, bem como o histórico de troca de e-mails e currículos — tudo a partir de informações que já estão no Calendar, no Hangouts, no Gmail e etc.

Matéria completa no site Techtudo

Encontro de Influenciadores Digitais

Muito bom! Assim eu defino o Encontro de Influenciadores Digitais que aconteceu aqui em João Pessoa nesta quarta-feira, dia 12. Ter a oportunidade de encontrar tantos produtores de conteúdo e ao mesmo tempo um papo agradável com que está no topo deste seguimento foi uma experiência fantástica.

Destaque para a participação especial do Armindo Ferreira, do Blog do Armindo. Jornalista e Grande produtor de conteúdo e influenciador através de conteúdo sobre tecnologia e negócios, além de um grande incentivador da formação de novos formadores de opinião. Foi uma AULA a palestra do cara.

Foi bom demais ouvir a experiência da “Youtuber” Géssica Kayane, a GKay. Ela mostrou que por trás de uma “vlogueira dos tempos modernos” tem uma pessoa pensante, estudada e com muita personalidade. Uma “feminista” que admirei seu modo de pensar o feminismo e o tal empoderamento.

Um evento muito bem planejado, que claro que tem espaço para crescer. Espero poder participar de outros futuros eventos do pessoal do projeto 21Labs. 

 

Homem que batia na namorada é preso após robô da Amazon chamar a polícia

Um homem foi preso no estado norte-americano do Novo México sob a acusação de bater na namorada e ameaçar matá-la após Alexa, a assistente pessoal da Amazon, chamar a polícia, segundo informou o jornal “NY Post” nesta segunda-feira (10).

O caso ocorreu no começo de julho em Tijeras, cidade próxima a Albuquerque.

Eduardo Barros, de 28 anos, discutia com sua namorada, bravo por achar que ela o estava traindo. Após sacar uma arma, ele falou, referindo-se aos policiais.

“Você chamou os xerifes?”

A questão foi entendida como uma ordem pela Alexa, que ligou para os oficiais. A assistente pessoal é uma plataforma de inteligência artificial que roda nos eletrônicos da Amazon, como o Echo, uma caixinha de som que executa ordens após receber comandos de voz. Google, como Google Home, e Apple, com o recém lançado HomePod, também disputam para levar às casas das pessoas aparelhinhos similares.

Segundo Felicia Romero, a delegada-assistente do condado de Bernallilo, não é possível saber qual dos aparelhos da Amazon fez a ligação. Apenas que a chamada para o 911 foi feita por Alexa e efetuada por um número da casa onde a agressão ocorreu.

“Essa tecnologia sensacional definitivamente ajudou a salvar uma mãe e sua criança de uma situação muito violenta”, afirmou Felicia Romero à ABC News.

Segundo o boletim de ocorrência obtido pelo “NY Post”, Barros ficou ainda mais nervoso quando percebeu que a polícia estava ligando para o celular de sua namorada. A partir daí, ele a jogou no chão e deu, pelo menos, uma dezena de chutes no rosto e estômago dela.

De acordo com o relato da vítima à polícia, Barros ficou nervoso por já ter passado pela prisão. Uma equipe da Swat, as forças especiais da polícia, foi enviada ao local, que teve de negociar com Barros para que se entregasse e libertasse a namorada e a filha dela.

Além das agressão, ele terá ainda de responder por porte de arma de fogo e por ter feito as duas reféns.

Notícia extraída do G1 Tecnologia

Videogame contribui para que jovens trabalhem menos nos EUA, diz estudo

Segundo os cálculos dos pesquisadores, os jogos de videogame tomam metade do tempo livre dos homens jovens norte-americanos.

Os videogames contribuíram para a queda no número de horas trabalhadas por homens jovens nos Estados Unidos, apontou um estudo do Departamento Nacional de Pesquisa Econômica norte americano.  Divulgada no começo deste mês, a pesquisa foi elaborada por Erik Hurst e Kerwin Charles, da Universidade de Chicago, Mark Aguiar, da Universidade de Princeton, e Mark Bils, da Universidade de Rochester. Os economistas partiram de dados que apontam declínio no número de horas trabalhadas ao ano tanto por homens e mulheres e em todas as faixas de idade.

Em 2015, os indivíduos nessa faixa de idade trabalhavam 203 horas a menos do que em 2000. A título de comparação, a redução de horas trabalhadas anualmente foi de 163 na faixa dos 31 a 55 anos.  Enquanto isso, o tempo destinado ao lazer entre os homens jovens cresceu para 63,4 horas em 2015.

E o que eles fazem com tempo adicional?

Passaram a jogar videogame por mais 1 hora e 24 minutos desde 2004, chegando a 3 horas e 24 minutos diante dos controles. E elevaram o tempo com computadores para 5 horas e 12 minutos (1 hora e 54 minutos a mais do que dez anos antes).

A queda em horas trabalhadas foi mais acentuada entre os homens com idade entre 21 e 30 anos, que passaram a dedicar mais tempo para lazer.

Os economistas constataram que o tempo de lazer aumentou entre mulheres e homens mais velhos. Mas não tão acentuadamente quanto para os homens jovens. Além disso, o tempo gasto com videogame entre mulheres e as outras faixas de idade da ala masculina não variou e mal chega a uma hora.

O tempo dispendido com games não aumentou nem mesmo entre as mulheres mais jovens. A presença feminina entre os jogadores é massiva, já que corresponde a 41% dos que jogam nos EUA, de acordo com Associação de Software para Entretenimento.

Matéria extraída do Portal G1 Tecnologia

Project Fi é a entrada do Google para o mundo pós-telefone

Todo smartphone tem uma parte ‘telefone’ e outra ‘computador’. O Google trabalha para eliminar a primeira e substitui-la por algo muito melhor, baseado nas comunicações IP.

O Google está trabalhando duro para tornar os telefones obsoletos. Mas a empresa não admitiria isso. Ao se livrar do telefone como o conhecemos, o Google está no lado direito da história e também do lado da sua empresa. Isso por que o mundo do pós-telefone é um mundo com comunicação de voz de melhor qualidade, melhores serviços de segurança e telefonia que funcionam melhor do que os aplicativos de comunicação de hoje.

O lançamento do Project Fi pelo Google levantou a pergunta óbvia: por que o Google gostaria de ser uma operadora? Afinal, o Google é essencialmente uma companhia de internet, não um sistema do telefone.   A resposta é clara: a missão da gigante de tecnologia é transmitir a comunicação para um mundo pós-telefone.

O Google oferece um cartão SIM Project Fi gratuitamente, desde que você seja um cliente Fi. Isso significa que você pode encomendar mais cartões SIM (até nove cartões grátis) e colocá-los em seu laptop, iPad, iPhone ou qualquer dispositivo e usá-lo apenas para dados, com o custo cobrado na conta principal. Esses dispositivos integram, por definição, o mundo pós-telefone, porque com os dados gratuitos do Fi, eles só podem fazer chamadas e enviar textos pela Internet; Não há acesso ao sistema de telefone celular.

Leia o artigo na íntegra no site CIO.com.br

Confira as 10 cidades mais conectadas do Brasil

Um estudo divulgado nesta semana, durante o Connected Smart Cities, evento que acontece em São Paulo e reúne empresas, governos e entidades para discutir como deixar as cidades brasileiras mais inteligentes, revela que a cidade de São Paulo é a mais conectada do país.

A pesquisa identifica e avalia as cidades brasileiras e suas iniciativas para o desenvolvimento em 11 setores: Mobilidade, Urbanismo, Tecnologia e Inovação, Empreendedorismo, Governança, Educação, Energia, Meio Ambiente, Saúde, Segurança e Economia. Ao todo, são 70 indicadores que analisam 700 municípios. A capital paulista aparece em primeiro lugar na lista, com um total de 33,1 pontos, seguida pela capital paranaense, com 32,4 pontos e pela carioca, com 32,12 pontos.

Confira as 10 cidades mais conectadas do país:

1. São Paulo
2. Curitiba
3. Rio de Janeiro
4. Belo Horizonte
5. Vitória
6. Florianópolis
7. Brasília
8. Campinas
9. São Caetano do Sul
10 Recife

Como é possível perceber, nenhuma cidade da região Norte do Brasil aparece entre as dez primeiras, o que indica que ainda há carência no desenvolvimento nos setores citados. Confira mais detalhes do estudo aqui.

Fonte: Olhar Digital.