É o FIM do Windows 7

Microsoft já anuncia o fim do suporte ao Windows 7 de maneira definitiva

Anúncios

Em comunicado oficial (recebi por e-mail), a Microsoft anunciou o fim do suporte ao Windows 7 a partir de 14 de janeiro de 2020. Os fãs desse sistema (ou em alguns casos, reféns por algum motivo) terão que desfazer os laços e pular para outras versões do SO de Bill Gates.

No comunicado oficial, a empresa justificou e explicou o que acontecerá ao fim do suporte.

O que significa suporte final?

Quando o Windows 7 chegar ao fim do suporte, seu computador continuará funcionando, mas a Microsoft não fornecerá mais atualizações de segurança e software. Embora você possa continuar a usar seu computador com o Windows 7, sem atualizações contínuas de software e segurança, haverá um risco maior de vírus e malware, mesmo com software antivírus adicional.

Microsoft

Ou seja, seu Windows 7 ainda funcionará, porém sem atualização de “segurança” e nem suporte antivírus (até porque a maioria das empresas que desenvolvem softwares já não dão mais suporte para versões do WIN7 faz um tempo).

Agora a escolha é sua, usuário: Windows 8, Windows 10 ou vai migrar para outro Sistema Operacional? Deixe sua opinião nos comentários!

Tutorial: Novo Projeto via Github

Olá Pessoal. Estou postando aqui um breve tutorial de inicio com Github. Inclui desde a instalação até a criação de um novo projeto e a submissão de arquivos. Lembrando que existe também o Gitlab, versão ‘gratuita’ e com menos limitações para projetos públicos e privados.

10 softwares livres que podem substituir alguns produtos da Adobe Creative Suite

Por enquanto, a Adobe não liberou nenhuma versão oficial, de seus produtos, para o Linux. Independentemente dos motivos, profissionais que trabalham com esses softwares, e que decidiram mudar para o Linux, precisam encontrar alternativas que possam atender as suas necessidades tanto pessoais como de mercado. Existem diversos softwares livres que podem suprir muitas delas; e, até mesmo, se tornarem opções equivalentes. Assim, segue lista com 10 softwares livres que podem substituir alguns produtos da Adobe Creative Suite.

DIVERSAS OPÇÕES

Atualmente, entre todos os produtos da Adobe Creative Suite (Adobe CS) disponíveis, a maioria deles possuem alternativas para o Linux.

Animate-ADOBE

O Adobe Animate é o programa de animação da Adobe. Anteriormente conhecido como Flash Pro, o programa de animação vetorial que foi usado no passado para criar animações em Flash. Agora que a web deixou de usar o Flash, mas o HTML5, a Adobe o rebatizou para Animate.

Synfig Studio tem sido a alternativa de fonte aberta para o programa da Adobe desde 2005, e ainda é a melhor escolha para aqueles que querem prosseguir animação vetorial 2D, sem precisar pagar nenhuma licença. É gratuito e possui um desenvolvimento ativo.

AUDITION-ADOBE

Anteriormente, conhecido como Cool Edit Pro, o Adobe Audition oferece recursos para editar áudio digital. O Audition é uma estação de trabalho de áudio digital, muito usado, principalmente, por podcasters profissionais; além de gravação e mixagem da sua própria trilha.

O Audacity é o software livre mais usado para edição de áudio. Contudo, quando se refere a produção de música profissional deve-se pensar no Ardour e/ou LMMS.

Direcionado para profissionais, o Ardour oferece gravação de áudio altamente avançada, mixagem e capacidades de edição não-linear. É uma ferramenta de edição de áudio dedicada a usuários que já trabalham em alguma área relacionada à mixagem de som. É uma alternativa ao Sony ACID. O Ardor é a melhor DAW (Digital Audio Workstation ) disponível no Linux agora. Não só tem uma interface limpa e utilizável, mas está cheio de recursos avançados. Muito bom e altamente recomendado.

Ardour-Alternativa-ADOBE-AUDITION

Já o LMMS é um aplicativo para você criar e editar sons, contendo diversas funcionalidades de um programa para repetição de trechos. É possível montar um áudio de estilo diferente, combinando exemplos, músicas, recortes de faixas e trechos contínuos. Mesmo com uma interface simples e fácil de usar, o aplicativo requer certo conhecimento técnico; pois trabalha com mixagem de música e outras funções avançadas.

Ilustrator-ADOBE

O Illustrator é um editor de imagens vetoriais desenvolvido e comercializado pela Adobe. Entre as opções livres disponíveis, esse produto da Adobe possui uma alternativa que atende completamente as necessidades do usuário desse programa.

O Inkscape é a alternativa mais completa para criar ou editar gráficos vetoriais no Linux. O Inkscape é completo de recursos e, certamente, pode ser usado em um ambiente profissional.

Inkscape-Alternativa-ADOBE-ILUSTRATOR

INDESGIN-ADOBE

Adobe InDesign é um software da Adobe. Foi desenvolvido para diagramação e organização de páginas; e criado para substituir o Adobe PageMaker.

A alternativa mais provável é o Scribus. Ele pode ser usado para criar folhetos, boletins informativos, cartazes e até mesmo layouts de livros. Ele também pode ser usado para criar PDFs animados e interativos – o tipo de coisa que você esperaria de qualquer programa de editoração eletrônica que se preze 😉

Scribus-Alternativa-ADOBE-InDESIGN

Ele tem algumas desvantagens. Entre elas, o fato de que não pode importar ou exportar arquivos do InDesign. Além disso, ele não é totalmente polido e livre de erros, o que pode revelar-se frustrante para os usuários mais profissionais. Felizmente, a documentação Scribus é muito boa.

Ligthroom-ADOBE

O Adobe Photoshop Lightroom é um software criado pela a Adobe designado a edição rápida e o armazenamento de fotos digitais. Ele permite que o usuário importe uma grande quantidade de fotos automaticamente a partir de uma câmera ou cartão de memória, podendo organizá-las em pastas e fazendo diversos ajustes. Ainda permite salvar as configurações para futuros trabalhos.

duas alternativas livres para Lightroom que são realmente muito boas. A primeira, o Darktablepromove a rápida edição e armazenamento de fotos digitais, em formato RAW (disponível em quase todas as máquinas fotográficas atuais). Permite que o usuário importe uma grande quantidade de fotos automaticamente a partir de uma câmera ou cartão de memória. Para quem já usou ou conhece o Adobe LightRoom, não terá nenhuma dificuldade. É o programa mais recomendado entre os fotógrafos que usam Linux.

Darktable-Alternativa-ADOBE-LIGHTROOM

A outra alternativa é o RawTherapee. É um programa bastante completo para quem precisa ajustar fotos de câmeras digitais, que normalmente são no formato “.raw”. Embora seja para manipulação de arquivos .raw, o programa pode importar arquivos de outros formatos mais populares como JPEG, TIFF e PNG e ser usado em complemento com o GIMP.

PHOTOSHOP_ADOBE

Alternativas para o Photoshop são um dos tópicos mais comentados no mundo software livre. Sem surpresas, o GIMP é logo sugerido.

RECOMENDO QUE LEIA:
Como viver sem o Photoshop?

Não que haja algo de errado com o GIMP; muito pleo contrário 😉 De fato, é uma excelente opção para substituir o Photoshop. Pois, ele é poderoso e cheio de recursos e, ainda, pode ser melhorado com diversos plugins de terceiros.

Krita-Alternativa-ADOBE-Photoshop

Contudo, há um outro programa que esteve mudando um pouco essa “soberania” do GIMP. É chamado de Krita e os usuários estão aos poucos saindo do GIMP e migrando pra ele. Krita é essencialmente uma ferramenta para pintores digitais e artistas, se esse é o tipo de trabalho que você faz. Então, mesmo com essa opção do Krita; o GIMP é, definitivamente, o programa mais próximo do Photoshop no momento.

PREMIERE-ADOBE

Adobe Premiere Pro é um programa que é usado para a edição de vídeos profissionais. Edição de vídeo profissional tem sido muitas vezes visto como uma atividade mais adequada para Macs, e só na última década teve opções viáveis no Windows. Mas para Linux? edição de vídeo pode ser um problema. #sqn 😉

Se você pode pagar por um software Linux de qualidade, recomendo o Lightworks. Ele é muito bom – foi usado para editar filmes como: “O Lobo de Wall Street”, “Hugo”, e muito mais. Entretanto, ele pode ser usado gratuitamente, mas com restrições. Você só pode exportar até 720p e você perde vários recursos providos na versão paga :( A versão paga desbloqueia tudo e permite exportar até em 4K, por exemplo.

Kdenlive-Alternativa-ADOBE-Premiere

Contudo, existem softwares livres que podem ser grandes ferramentas para profissionais da área. Um deles, é o Kdenlive. Ele é um software de edição video para o ambiente KDE (possível instalá-lo em outros ambiente também). É um poderoso editor de vídeo multitrack, que inclui as tecnologias de vídeo mais recentes. É um excelente software de edição de vídeo.

Fonte: Linux Descomplicado

Liberado: Azure agora tem Red Hat Linux

A partir de hoje (20/04/2016), está liberada para ser implantada instâncias de Red Hat Enterprise Linux a partir do Azure Marketplace, onde agora mais de 60% de nossas imagens são baseadas em Linux. Este lançamento é resultado direto da parceria conjunta anunciada em novembro passado.

Usando essas instâncias, os clientes da Red Hat e da Microsoft agora serão capazes de implantar de forma rápida e fácil instâncias para cargas de trabalho sob demanda, desenvolvimento e testes e produção na nuvem – todos com a simplicidade, escalabilidade, agilidade e flexibilidade do faturamento por minuto do Azure. As imagens de Red Hat Enterprise Linux 6.7 e 7.2 agora estão disponíveis em todas as regiões, exceto China e para o Governo dos EUA, e podem ser implantadas diretamente a partir do Azure Marketplace.

Desde que a Microsoft anunciou a parceria em novembro, houve um forte interesse de clientes que estão procurando levar seus investimentos em Red Hat para o Azure. A empresa também oferece suporte corporativo de nuvem pública através de uma experiência de suporte totalmente integrada com engenheiros de suporte da Red Hat e Microsoft sentados lado a lado para ajudar o usuário quando precisar!

Além disso, a Red Hat e a Microsoft trabalharam juntas para garantir as assinaturas de Red Hat adquiridas através do Azure Marketplace forneçam suporte e valor integrados e únicos para a assinatura através do acesso direto ao portal do cliente da Red Hat.  Isto fornece ao usuário toda a extensão do valor corporativo da Red Hat, entregue diretamente como parte da experiência sob demanda do Azure.

Para saber mais sobre este lançamento, veja a publicação oficial dentro do blog Azure.

Programadores poderão usar comandos do Linux no Windows 10

A Microsoft realiza nesta quarta-feira, 30, a Build 2016, sua conferência anual dedicada a desenvolvedores e usuários de seus produtos. Entre as novidades chegando ao seu sistema operacional, a empresa anunciou que programadores poderão usar o interpretador de comandos Bash, que roda em Linux, também no Windows 10.

Esse shell é usado normalmente por programadores utilizando um computador da Apple (OS X) ou algum sistema open-source baseado em Linux. Até hoje, a Microsoft fazia questão de manter seu próprio interpretador concorrente, o PowerShell, mas parece ter desistido da competição.

O anúncio é resultado de uma parceria entre a Microsoft e a Canonical, empresa responsável pelo sistema operacional Ubuntu, também baseado em Linux. O suporte ao Bash chegará junto com a atualização de aniversário do Windows 10, no segundo trimestre deste ano.

Fonte: Olhar Digital

IBM e Canonical criarão mainframe versão Ubuntu

Com o passar dos anos, a IBM tem testado diversos sistemas baseado em Linux em seus mainframes, os computadores de grande porte dedicados ao processamento de um grande volume de informações. Agora, a empresa norte-americana anunciou que está trabalhando em parceria com a Canonical para a construção de um mainframe rodando o Ubuntu. A nova unidade foi nomeada LinuxOne.

O anúncio vem como parte de uma estratégia mais ampla da IBM, que visa impulsionar o uso de mainframes por um público mais amplo. Esta nova abordagem inclui um modelo de assinatura mensal, envolvimento mais profundo com outros projetos de código aberto, contribuição para códigos de mainframe open source e participação no recém-lançado Projeto Open Mainframe.

Os novos mainframes serão disponibilizados no mercado em duas versões. O primeiro é chamado de Emperor e executa o IBM z13, desenvolvido em janeiro deste ano. O z13 tem capacidade de lidar com 2,5 bilhões de transações por dia, de acordo com a IBM. A outra versão é menor e chamada de Rockhopper, que é projetado para compradores de entrada no mercado de computadores dedicados a processamento de dados.

Embora venham perdendo espaço para os servidores de arquitetura PC e servidores Unix, que geralmente apresentam um custo menor, os mainframes ainda são bastante utilizados em ambientes comerciais e por grandes empresas como bancos e universidades. Assim, a IBM planeja promover ainda mais a nuvem, segurança e analytics para expandir o mercado potencial dos mainframes que executam o Ubuntu. A Big Blue também apoiará uma série de softwares empresariais open source, como o Apache Spark, MongoDB, node.js, PostgreSQL e Chef.

“Para mim, o que é mais interessante é o fato da IBM estar trabalhando através de uma mudança de paradigma e olhando para outros sistemas em mainframes, expandindo-os e aprofundando na implementação de softwares open source”, disse John Zannos da Canonical, empresa por trás do Ubuntu.

Via TechCrunch | Matéria completa Aqui

O futuro do Linux sem Linus Torvalds

Em entrevista ao site bloomberg, Linus Torvalds, o criador do Kernel Linux, comentou sobre o futuro do software sem a sua presença.

Linus Torvalds é uma das figuras mais importantes do mundo da tecnologia sem sombra de dúvida, mesmo assim não posso evitar de me sentir um pouco insatisfeito pela falta de reconhecimento de seu trabalho perante a grande massa… pois bem, talvez ele mesmo quisesse assim não é verdade?

Por mais que algumas pessoas ainda torçam o nariz quando ouvem a palavra “Linux” e inegável que o Linux é a base forte de boa parte da tecnologia humana atual, “Linux de ponta a ponta” é o que dizem, qualquer aparelho eletrônico inteligente tem uma chance enorme de estar rodando alguma variação do Linux.

Mas e… quando Linus, o criador do Linux, não estiver mais aqui?

Foi justamente essa conversa, com um tom meio mórbido até, que Linus teve com o site Bloomberg, quando questionado sobre o que ele achava que o Linux seria sem ele no futuro, numa possível aposentadoria ou mesmo em caso da ausência de Torvalds por motivos “não tão relaxantes” quanto férias, a resposta foi dada com calma para deixar as pessoas sem maiores preocupações.

O Linux saiu de um projeto particular para ganhar o mundo!

Sua resposta foi enfática, “as coisas devem seguir sem maiores problemas, existem muitas pessoas que podem liderar o projeto atualmente“, conta Torvalds. Greg Kroah-Hartman é o braço direito de Linus, e ele seria o primeiro no comando em caso da ausência do criador.

Torvalds ainda comentou que a sua ausência há uns 10 ou 15 anos atrás teria causado um certo pânico, mas hoje em dia ele acredita que o problema seria contornado em pouco tempo, talvez alguns meses.

Linus Torvalds ainda é jovem, tem apenas 45 anos, ele é ainda o cara que estuda e aprova cada modificação que entra ou sai do Kernel Linux, Linus comentou na entrevista que logo quando criou o Kernel nos anos 90, todo o software tinha cerca de 10 mil linhas de código e hoje em dia o Linux tem 19 milhões de linhas, muitas delas enviadas por empresas como Red Hat, Canonical, Intel, Google, Microsoft, IBM, HP, AMD entre muitas outras grandes companhias do mundo tecnológico que dependem da robustez do Linux para seus trabalhos.

Linus pode um dia ir mas o Linux continuará, pois seu desenvolvimento colaborativo é o que lhe faz forte e praticamente imortal.