#Profissões: tendências para 2020 e empregos do futuro

Pesquisas apontam carreiras em alta e os trabalhos que irão surgir na próxima década. Confira!

Impulsionada pelas inovações tecnológicas, as profissões têm se transformado. Novas funções estão surgindo, e o papel do executivo vem se desenhando em meio às disrupções provenientes do mundo pós-moderno.

Conforme a tecnologia propicia facilidades, outros campos de trabalho surgem, com profissões inovadoras, exigindo pessoas capacitadas para tal função. Tendo isso em vista, estudos apontam que as principais atividades para o ano de 2020 são dos setores ligados à tecnologia.

Áreas em foco

Além de saber quais os ofícios específicos tendem a ser mais valorizados, é importante conhecer as áreas que se destacam. Segundo a Fundação Instituto de Administração (FIA), os setores que entram em cena são:

Tecnologia: Essa é a mais óbvia e inegável, pois no dia a dia das organizações e da vida pessoal há cada vez mais inovações e dispositivos que trazem facilidades tanto para a área empresarial quanto para pessoal. Deste modo, as profissões associadas à programação ganham destaque, sobretudo, as que focam em linguagens relacionadas à automação, internet das coisas, inteligência artificial e machine learning.

Dados: O mesmo cenário tecnológico nos traz ao mundo da big data, em que há o crescimento de coleta e processamento de dados, contudo,  o enfoque fica também para análise estratégica de dados obtidos na tomada de decisões de uma empresa.

Compliance: O público consumidor mudou, está mais exigente e consciente do impacto socioambiental que a economia produtiva provoca no planeta. Deste modo, profissionais de compliance, área que se ocupa de garantir que a empresa cumpra as leis e regulamentações referentes à sua atuação, tem sido cada vez mais procurada.

Áreas em ascenção

A equipe Cognizant, que é uma das maiores empresas de tecnologia de informação do mundo, se baseou em macrotendências atuais em diversas áreas, como:  meio-ambiente, migração, biotecnologia e demografia para criar as possibilidades. Segundo os autores, o trabalho vai mudar no futuro, mas não irá sumir. Em sua pesquisa elencam 21 profissões, que irão ser importantes para o futuro. Abaixo destacamos algumas:

Oficial de ética de sourcing:

Este profissional investiga, acompanha e negocia acordos de bens e serviços para garantir que gastos indiretos da empresa (em energia, restos e relações sociais) estejam alinhados com os padrões de ética de seus stakeholders. Para isso é preciso ter experiência com ética em ambientes corporativos, habilidades interpessoais e de comunicação, capacidade de trabalhar em grupo. Conhecimentos de negócios, lei, gestão pública ou filosofia são diferenciais.

Detetive de dados:

Investiga mistérios em Big Data. Para atuar nesta área, basta saber sobre finanças, matemática e Data Science, mas ser um cientista de dados é necessário.

Mestre de edge computing:

Este profissional cria, mantém e protege o ambiente de edge computing. É necessário possuir doutorado em áreas relacionadas, experiência com segurança e protocolo de internet das coisas (IoT), entre outros assuntos. Capacidade de arquitetar e projetar ambiente de computação em nuvem ou edge computing.

Walker/ talker:

Profissional autônomo, como motoristas de Uber. Passa tempo com clientes idosos através de uma plataforma online para escutá-los e conversar com eles. Sua principal tarefa como walker/talker é prestar atenção. Qualquer background será considerado. É preciso ter mobilidade para visitar clientes em casa quando for necessário.

Conselheiro de compromisso de saúde:

Trabalha remotamente para oferecer coaching individual e conselhos de bem-estar e saúde para usuários de pulseiras inteligentes, que monitoram suas atividades e sinais físicos. Ter experiência com nutrição ou educação física e credenciais (obtidas em cursos online) em modalidades esportivas como CrossFit ou Yoga. Saber lidar com ambientes culturalmente diversos também é necessário.

Fontes:

GuiaCarreira
Fia
Epocanegócios
Napratica.org
cognizant.com/futureofwork

Profissões em alta para 2020 segundo LinkedIn

As 15 profissões mais promissoras de 2020, segundo o LINKEDIN

A rede social listou 15 profissionais com mais oportunidades no mercado de trabalho

No começo do mês de janeiro, o LinkedIn listou as 15 profissões emergentes de 2020, nove delas ligados à Tecnologia da Informação e da Comunicação. O resultado dessa lista baseia-se em dados de perfis públicos de usuários que tenham ocupado um ou mais cargos nos últimos cinco anos no Brasil.

Para concretizar o relatório, a rede social relacionou as profissões com mais movimentação e, então, realizou um cálculo de crescimento, que levou em consideração o número de contratações a aumento da taxa de procura. Gestor de mídias sociais aparece como o cargo mais crescente no mercado, com um aumento anual de 122% em média, considerando os anos entre 2015 e 2019. O site atenta para a profissão de motorista em 10º lugar, cujo aumento está relacionado à popularização de aplicativos.

Confira a lista a seguir:

1. Gestor de mídias sociais, crescimento médio anual de 122%;

2. Engenheiro de cibersegurança, crescimento médio anual de 115%;

3. Representante de vendas, crescimento médio anual de 109%;

4. Especialista em sucesso do cliente, crescimento médio anual de 79%;

5. Cientista de dados, crescimento médio anual de 78%;

6. Engenheiro de dados, crescimento médio anual de 75%;

7. Especialista em Inteligência Artificial, crescimento médio anual de 73%;

8. Desenvolvedor em JavaScript, crescimento médio anual de 72%;

9. Investidor Day Trader, crescimento médio anual de 69%;

10. Motorista, crescimento médio anual de 68%;

11. Consultor de investimentos, crescimento médio anual de 61%;

12. Assistente de mídias sociais, crescimento médio anual de 60%;

13. Desenvolvedor de plataforma Salesforce, crescimento médio anual de 58%;

14. Recrutador especialista em Tecnologia da Informação, crescimento médio anual de 56%;

15. Coach de metodologia Agile, crescimento médio anual de 53%.

Fonte: LinkedIn / IT4CIO

Videogame contribui para que jovens trabalhem menos nos EUA, diz estudo

Segundo os cálculos dos pesquisadores, os jogos de videogame tomam metade do tempo livre dos homens jovens norte-americanos.

Os videogames contribuíram para a queda no número de horas trabalhadas por homens jovens nos Estados Unidos, apontou um estudo do Departamento Nacional de Pesquisa Econômica norte americano.  Divulgada no começo deste mês, a pesquisa foi elaborada por Erik Hurst e Kerwin Charles, da Universidade de Chicago, Mark Aguiar, da Universidade de Princeton, e Mark Bils, da Universidade de Rochester. Os economistas partiram de dados que apontam declínio no número de horas trabalhadas ao ano tanto por homens e mulheres e em todas as faixas de idade.

Em 2015, os indivíduos nessa faixa de idade trabalhavam 203 horas a menos do que em 2000. A título de comparação, a redução de horas trabalhadas anualmente foi de 163 na faixa dos 31 a 55 anos.  Enquanto isso, o tempo destinado ao lazer entre os homens jovens cresceu para 63,4 horas em 2015.

E o que eles fazem com tempo adicional?

Passaram a jogar videogame por mais 1 hora e 24 minutos desde 2004, chegando a 3 horas e 24 minutos diante dos controles. E elevaram o tempo com computadores para 5 horas e 12 minutos (1 hora e 54 minutos a mais do que dez anos antes).

A queda em horas trabalhadas foi mais acentuada entre os homens com idade entre 21 e 30 anos, que passaram a dedicar mais tempo para lazer.

Os economistas constataram que o tempo de lazer aumentou entre mulheres e homens mais velhos. Mas não tão acentuadamente quanto para os homens jovens. Além disso, o tempo gasto com videogame entre mulheres e as outras faixas de idade da ala masculina não variou e mal chega a uma hora.

O tempo dispendido com games não aumentou nem mesmo entre as mulheres mais jovens. A presença feminina entre os jogadores é massiva, já que corresponde a 41% dos que jogam nos EUA, de acordo com Associação de Software para Entretenimento.

Matéria extraída do Portal G1 Tecnologia

Palestra “Profissão: Desenvolvedor”

Slides da apresentação na semana de Imersão na Fábrica de Software. A palestra foi uma apresentação sobre a profissão de Desenvolvedor de Software para os novos membros interessados em ingressar nas equipes de desenvolvimento de software do projeto Fábrica de softwares do UNIPÊ (Centro Universitário de João Pessoa).

Visão: Uma qualidade essencial para jovens profissionais de TI

Quando você entra em uma empresa de TI diferente independente do tamanho desta empresa, se depara com uma nova cultura e formas diferentes de pensar que estão impregnadas na cultura que esta empresa construiu.

É muito comum hoje em dia em empresas de grande porte, principalmente multinacionais, os novos funcionários passarem por processos de integração para conhecer a cultura da empresa e a maneira que a empresa constrói e estabelece seu estilo de trabalho entre as equipes.

Futuro: saiba como aproveitar a faculdade ao máximo

Parece clichê, mas é a mais pura verdade: aproveitar o período da faculdade para também adquirir experiências práticas e se envolver em atividades extraclasse não é mais uma opção para quem quer se destacar no mercado de trabalho e seus concorridos processos seletivos.

Se na época dos nossos pais ter o diploma de um curso de graduação era sinônimo de conseguir um bom emprego, agora as exigências são muito maiores. E, para corresponder às expectativas do mercado, é preciso tornar o período de estudante o mais proveitoso possível.

Os alunos que se engajam em atividades extracurriculares costumam escolher melhor onde trabalhar, além de serem valorizados pelos recrutadores, pois passam a ideia de que são mais comprometidos, proativos e autônomos do que os que não saíram da sala de aula.

Para te ajudar a mergulhar no infinito de possibilidades extraclasse, a Fundação Estudar fez um especial que apresenta o perfil de organizações estudantis como AIESEC, CHOICE, MEJ, Ligas, Enactus e Rotaract, além de histórias de pessoas que passaram por elas e chegaram muito longe. Confira o especial:

Botão Especial