Os 10 mais populares frameworks PHP (parte 1)

Que PHP é uma das linguagens web mais utilizadas no mundo todo, para quem é da área, não é segredo algum. Mas, existem “N” formas de se programar para a web e só com a linguagem PHP já são diversos os frameworks, elementos auxiliares na hora de desenvolver um sistema web.

Por que usar um framework PHP?

Um framework PHP fornece uma estrutura básica para simplificar o desenvolvimento de aplicativos da web. Nós os usamos porque eles aceleram o processo de desenvolvimento.

Acima de tudo, a capacidade de resposta de sites e aplicativos criados usando estruturas PHP ajuda as empresas a atender às suas necessidades de desempenho. Portanto, não há dúvida de que os frameworks PHP continuarão ganhando atenção e popularidade em 2019.

A seguir, segue uma lista com os top 10 frameworks em uso hoje no mundo inteiro:

1. Laravel

Laravel is a top PHP framework

Introduzido em 2011, o Laravel tornou-se o mais popular framework PHP livre e de código aberto do mundo. Por quê? Porque ele pode manipular aplicativos da Web complexos com segurança, em um ritmo consideravelmente mais rápido do que outros frameworks. O Laravel simplifica o processo de desenvolvimento, facilitando tarefas comuns, como roteamento, sessões, armazenamento em cache e autenticação.

2. CodeIgniter

CodeIgniter is a top PHP framework

Conhecido por seu pequeno tamanho (é apenas cerca de 2 MB, incluindo a documentação) O CodeIgniter é um framework PHP adequado para o desenvolvimento de websites dinâmicos. Ele oferece vários módulos pré-construídos que ajudam na construção de componentes robustos e reutilizáveis.

3. Symfony

Symfony is a top PHP framework

A estrutura do Symfony foi lançada em 2005 e, embora tenha existido por muito mais tempo do que outras estruturas nessa lista, é uma plataforma confiável e madura. Symfony é uma extensa estrutura PHP MVC e a única estrutura conhecida para seguir padrões PHP e web.

4. CakePHP

CakePHP is a top PHP framework

Se você procura um kit de ferramentas simples e elegante, não procure mais. O CakePHP irá ajudá-lo a desenvolver sites visualmente impressionantes e repletos de recursos. Além disso, o CakePHP é um dos frameworks mais fáceis de aprender, especialmente por causa de sua estrutura CRUD (criar, ler, atualizar e excluir). CakePHP chegou ao mercado no início dos anos 2000, e desde então ganhou melhor desempenho e muitos novos componentes.

5. Yii

Yii is a top PHP framework

A estrutura do Yii – que significa sim, é! – é, de fato, simples e evolutivo. É uma estrutura PHP de alto desempenho e baseada em componentes para o desenvolvimento de aplicativos da Web modernos. O Yii é adequado para todos os tipos de aplicativos da web. Por esse motivo, é uma estrutura de programação universal da web.

Este TOP 10 Continua…

Anúncios

O INCRÍVEL CRESCIMENTO DA LINGUAGEM PYTHON

Recentemente, o Stack Overflow (site de perguntas e respostas sobre programação, que se transformou em ponto de encontro dos programadores em todo mundo) realizou um estudo sobre como os países ricos (aqueles definidos como alta renda pelo Banco Mundial) tendem a visitar um conjunto diferente de tecnologias em relação ao resto do mundo. Entre as maiores diferenças está a linguagem de programação Python.

A conclusão do estudo, foi o extraordinário crescimento da linguagem de programação Python nos últimos cinco anos, conforme visto pelo tráfego no Stack Overflow em países de alta renda. O termo “crescimento mais rápido” pode ser difícil de definir com precisão, mas a linguagem Python tem uma sólida pretensão de ser uma das maiores linguagens de programação do mundo e com “crescimento mais rápido”. Parece que o objetivo vai sendo alcançado.

Crescimento da Linguagem Python em Países de Alta Renda

Acompanhando o Stack Overflow Trends fica fácil perceber que a linguagem Python vem crescendo rapidamente nos últimos anos. Mas vamos nos concentrar em países de alta renda e considerar as visitas às questões, e não as questões respondidas (isto tende a dar resultados semelhantes, mas tem menos ruído mês a mês, especialmente para tags menores).

O Incrível Crescimento da Linguagem Python
Fonte: Stack Overflow

O estudo começa considerando de dados de visualizações a questões sobre Python no final de 2011 e, no período de 2011 a 2017, podemos considerar o crescimento da linguagem Python em relação a outras cinco principais linguagens de programação. (Observe que esta é, portanto, uma escala de tempo menor do que a ferramenta Stack Overflow Trends, que se remonta a 2008). Este gráfico acima contém seis das dez tags mais visitadas no Stack Overflow em países de alta renda; as quatro não incluídas são CSS, HTML, Android e JQuery.

Leia a matéria sobre este estudo na íntegra no site da Data Science Academy

‘Inteligência artificial vai criar mais empregos’, diz especialista

Uma das questões mais debatidas atualmente é como as novas tecnologias, incluindo a robótica e a inteligência artificial, poderão impactar no mercado de trabalho e nas relações profissionais.

Especialista conta que o trabalho da máquina não irá substituir o homem — Foto: Lukas/Unplash

Autor do best-seller A Guerra das Inteligências, o francês Laurent Alexandre explica que esse não é um fenômeno novo. E mostra porque a sociedade não precisa temer a evolução tecnológica.

“Eu não acredito na morte do trabalho. Você sabe que os imperadores romanos tinham medo que as máquinas destruíssem o trabalho em Roma há dois mil anos. É um medo que sempre tivemos porque as pessoas veem a destruição dos postos de trabalho, mas não veem as profissões do futuro”.

“Ninguém na época do Napoleão poderia imaginar que haveria os aviões e microprocessadores. Eu não sou otimista, eu sou realista. A tecnologia vai criar oportunidades extraordinárias para as gerações que virão.”

A principal diferença agora está na natureza das mudanças. Segundo o coordenador do mestrado em ciências digitais da SciencePo, em Paris, Benoît Thieulin, até hoje sempre que havia transformações profundas elas atingiam a parte baixa da pirâmide, onde estão os trabalhadores menos qualificados, enquanto a onda da digitalização e da robótica afetará o alto escalão.

“Então haverá um reposicionamento, sobretudo nos trabalhos qualificados, daquilo que poderá ser feito pelas máquinas, e a parte humana, de responsabilidade, que continuará sendo feita por pessoas.”

“A primeira onda de robotização dos anos 1970 e 1980 atingiu inicialmente os operários. E esse movimento continua, especialmente no mundo industrial, pois ainda não temos empregados domésticos robôs, mesmo que isso venha a acontecer no futuro, muito provavelmente. Mas a nova onda, atualmente, que é essa da inteligência artificial, atinge os chamados empregos de colarinho branco. As enfermeiras estão menos ameaçadas, por exemplo, do que os médicos. São as profissões de análise que podem ser automatizadas. Entre um radiologista e um computador, que terá acesso a milhares de imagens para poder comparar um osso a milhares de outros, é evidente que a análise digital será incomparável com aquilo que o radiologista poderá fazer unicamente com os olhos e o cérebro”.

Fonte: RFI/BR

[Slide] Programação Orientada a Objetos

Olá, pessoal. Esse post é para compartilhar o slide inicial da disciplina Programação Orientada a Objetos. Aqui no blog, no link APOSTILAS, você terá acesso aos demais slides.

Para acompanhar os códigos vistos nas aulas, acesse meu Github (clique aqui).

"Inovação é o que distingue um líder de um seguidor." {Steve Jobs}

Olá, pessoal! Segue Slide da primeira aula da disciplina POO – Programação Orientada a Objetos, do curso superior de Automação Industrial da faculdade SENAI-PB.

Os demais materiais serão todos postados por aqui para acesso da turma. Outros materiais sobre Programação estão aqui na seção APOSTILAS.

Para baixar o slide de aula, clique aqui.

 

Ver o post original

Fim de ano letivo!

Resultado de imagem para fim de ano letivo

Chega ao fim mais um ano, mais um semestre letivo. Chegou a hora de fazer uma auto-retrospectiva, analisar os pontos positivos e negativos. Você já parou para pensar como a vida corre? Esses dias o “FELIZ ANO NOVO” era para a chegada de 2017, e agora… lá se vai o ano.

Ao fechar mais um ciclo, é a hora de refletir se o ano teve saldo positivo ou negativo. Ou, pior ainda, se você se manteve na mesma. As vezes é melhor negativar, dar um passo atrás para, quem sabe, evoluir.

Algumas considerações minhas sobre este ano? Este ano pude crescer profissionalmente. Consegui escrever mais, produzi uma série de vídeos para o Youtube sobre Excel. Publiquei artigos, palestrei para pequenos grupos e consegui compartilhar conhecimento com o maior número de alunos até hoje (meu “recorde” pessoal rsrs). Emplaquei como supervisor técnico e consultor para equipes de estagiários em desenvolvimento de sistemas, pude com tudo isso ver a evolução e a formação de futuros profissionais das mais diversas áreas.

Isso é o que encanta em minha profissão, a chance de você ver profissionais se formarem e com sua pequena contribuição, pequena porém importante. Afinal, enquanto estive em minha graduação, sempre contei com o apoio de professores. Tive a “sorte” de ter professores muito dedicados e capazes no que faziam, pelo menos em sua maioria.

Com tudo isso, até aí, o saldo no ano foi positivo. A soma foi boa, as experiências trocadas foram de certo modo revigorantes. Pude tentar mais, ousar, arriscar a entrada no Mestrado (que deverá ficar para o próximo ano). A vida é assim, alguns sonhos são plantados para serem colhidos bem depois.

De modo geral só tenho a agradecer aos meus “chefes”, empregadores, colegas de trabalho e aos alunos que tive, esses últimos que também considero colegas de profissão, afinal a sala de aula é um ambiente colaborativo, onde se ensina e aprende todos os dias.

Desejo a todos um final de ano e de semestre esplendido, cheio de REALIZAÇÕES e um ano novo cheio de AÇÕES. Um feliz Natal, bem natalino, com a benção do “aniversariante ” Jesus. 2018 é logo ali, já está bem aqui. Faça sua reflexão agora e já se programe para o que vem por aí!

Violinista acidentada há 30 anos volta a tocar graças a tecnologia brasileira

Rosemary Johnson sofreu um acidente de carro em 1988, perdendo os movimentos de seu corpo. Com isso, a violinista nunca mais tinha conseguido tocar seu instrumento favorito, mas, agora, tudo mudou graças a uma tecnologia criada por um brasileiro. Ela voltou a tocar o violino graças a sensores que acompanham o movimento de seus olhos, e também captam ondas cerebrais.

A tecnologia foi desenvolvida por Eduardo Miranda, brasileiro que atua como professor na Universidade de Plymouth, na Inglaterra. Há alguns anos, o professor se dedica a pesquisas que combinam música, computação e biologia, com o objetivo de devolver a capacidade de expressão musical a pessoas com deficiências.

Com o projeto de Miranda, a violinista, que não consegue se mover ou falar, conseguiu selecionar notas exibidas em uma tela, que foram tocadas em tempo real por uma colega sua, a também violinista Alison Balfour-Paul. Uma orquestra foi chamada para tocar a composição de Johnson, e você pode conferir a apresentação no seguinte curta produzido pela Volvo Car UK, que apoia o projeto:

“Quando vi Rosie pela primeira vez, algo estalou. É muito interessante trabalhar com ela. Uma vez que ela é uma musicista clássica, não preciso perguntá-la muitas coisas. Por meio da tecnologia, estamos quase instantaneamente trabalhando no domínio da comunicação musical”, contou o professor. “Trabalhar com ela está nos ajudando a desenvolver e formatar esta tecnologia. É uma mistura maravilhosa entre ciência e criatividade”, completou.

A tecnologia, que ainda está em desenvolvimento, é fruto de uma parceria com o Hospital Real para Deficiências Neurológicas de Londres, e já vinha sendo estudada desde 2003. “A ideia surgiu quando eu li uma notícia que cientistas estavam desenvolvendo métodos para controlar máquinas usando sinais elétricos cerebrais, chamados eletroencefalogramas. Eu achei a ideia fascinante e comecei a investigar a possibilidade de usar esse tipo de tecnologia para criar instrumentos musicais eletrônicos”, explicou o brasileiro.

Apesar de atuar na Inglaterra, Miranda pretende trazer sua tecnologia inovadora para o Brasil. Ele disse que está “em contato com algumas instituições brasileiras para ver se podemos mostrar o trabalho no Brasil no ano que vem”, mas “o trabalho não está pronto ainda para ser usado mais amplamente”. Para conseguir levar a tecnologia adiante, o professor depende da disponibilidade de colaboradores e de financiamentos. Com o caso bem sucedido de Rosemary Johnson, ele espera conseguir esse apoio.

Fonte: BBC

[Slide] Programação Orientada a Objetos – Conceitos Iniciais em Java (Aula 2)

Segue apostila da aula 2 sobre Programação Orientada a Objetos com os conceitos iniciais do paradigma aplicados a linguagem JAVA.

Para baixar os slides clique aqui!