CaseCrunch: O advogado “robô”

Imagem relacionada

Uma disputa bastante inusitada acabou com um sistema de inteligência artificial derrotando competidores humanos e não estou falando de partidas de xadrez – trata-se, na verdade, de um campeonato de advogados que colocou o CaseCrunch Alpha para enfrentar 100 profissionais reais da área. O resultado? Um baile da IA, que obteve uma taxa de precisão de 86,6%, enquanto que as pessoas de carne e osso chegaram a apenas 66.3%.

O CaseCrunch se tornou um sistema capaz de realizar previsões com base em informações sobre os casos e as leis locais

Os advogados e a inteligência artificial receberam informações básicas sobre centenas de casos de venda incorreta de seguro de proteção de pagamento e deveriam prever se o provedor financeiro de justiça permitiria uma reclamação. Foi nessas previsões que o CaseCrunch Alpha se saiu muito melhor que os profissionais de verdade.

De tirar dúvidas a prever

Criada por estudantes de direito de Cambridge, a plataforma funcionava inicialmente apenas como um bot de bate papo que tinha como objetivo tirar dúvidas legais de pessoas. A partir daí, o CaseCrunch se tornou um sistema capaz de realizar previsões com base em informações sobre os casos e as leis locais.

Ainda é muito para dizer se em algum dia os advogados poderão ser substituídos por máquinas, visto que o direito é um assunto sempre bastante subjetivo. Seja como for, se você for advogado, é bom ficar de olho: seu emprego pode estar com os dias contados.

Fonte: TecMundo.

Anúncios

Homem que batia na namorada é preso após robô da Amazon chamar a polícia

Um homem foi preso no estado norte-americano do Novo México sob a acusação de bater na namorada e ameaçar matá-la após Alexa, a assistente pessoal da Amazon, chamar a polícia, segundo informou o jornal “NY Post” nesta segunda-feira (10).

O caso ocorreu no começo de julho em Tijeras, cidade próxima a Albuquerque.

Eduardo Barros, de 28 anos, discutia com sua namorada, bravo por achar que ela o estava traindo. Após sacar uma arma, ele falou, referindo-se aos policiais.

“Você chamou os xerifes?”

A questão foi entendida como uma ordem pela Alexa, que ligou para os oficiais. A assistente pessoal é uma plataforma de inteligência artificial que roda nos eletrônicos da Amazon, como o Echo, uma caixinha de som que executa ordens após receber comandos de voz. Google, como Google Home, e Apple, com o recém lançado HomePod, também disputam para levar às casas das pessoas aparelhinhos similares.

Segundo Felicia Romero, a delegada-assistente do condado de Bernallilo, não é possível saber qual dos aparelhos da Amazon fez a ligação. Apenas que a chamada para o 911 foi feita por Alexa e efetuada por um número da casa onde a agressão ocorreu.

“Essa tecnologia sensacional definitivamente ajudou a salvar uma mãe e sua criança de uma situação muito violenta”, afirmou Felicia Romero à ABC News.

Segundo o boletim de ocorrência obtido pelo “NY Post”, Barros ficou ainda mais nervoso quando percebeu que a polícia estava ligando para o celular de sua namorada. A partir daí, ele a jogou no chão e deu, pelo menos, uma dezena de chutes no rosto e estômago dela.

De acordo com o relato da vítima à polícia, Barros ficou nervoso por já ter passado pela prisão. Uma equipe da Swat, as forças especiais da polícia, foi enviada ao local, que teve de negociar com Barros para que se entregasse e libertasse a namorada e a filha dela.

Além das agressão, ele terá ainda de responder por porte de arma de fogo e por ter feito as duas reféns.

Notícia extraída do G1 Tecnologia