‘Inteligência artificial vai criar mais empregos’, diz especialista

Uma das questões mais debatidas atualmente é como as novas tecnologias, incluindo a robótica e a inteligência artificial, poderão impactar no mercado de trabalho e nas relações profissionais.

Especialista conta que o trabalho da máquina não irá substituir o homem — Foto: Lukas/Unplash

Autor do best-seller A Guerra das Inteligências, o francês Laurent Alexandre explica que esse não é um fenômeno novo. E mostra porque a sociedade não precisa temer a evolução tecnológica.

“Eu não acredito na morte do trabalho. Você sabe que os imperadores romanos tinham medo que as máquinas destruíssem o trabalho em Roma há dois mil anos. É um medo que sempre tivemos porque as pessoas veem a destruição dos postos de trabalho, mas não veem as profissões do futuro”.

“Ninguém na época do Napoleão poderia imaginar que haveria os aviões e microprocessadores. Eu não sou otimista, eu sou realista. A tecnologia vai criar oportunidades extraordinárias para as gerações que virão.”

A principal diferença agora está na natureza das mudanças. Segundo o coordenador do mestrado em ciências digitais da SciencePo, em Paris, Benoît Thieulin, até hoje sempre que havia transformações profundas elas atingiam a parte baixa da pirâmide, onde estão os trabalhadores menos qualificados, enquanto a onda da digitalização e da robótica afetará o alto escalão.

“Então haverá um reposicionamento, sobretudo nos trabalhos qualificados, daquilo que poderá ser feito pelas máquinas, e a parte humana, de responsabilidade, que continuará sendo feita por pessoas.”

“A primeira onda de robotização dos anos 1970 e 1980 atingiu inicialmente os operários. E esse movimento continua, especialmente no mundo industrial, pois ainda não temos empregados domésticos robôs, mesmo que isso venha a acontecer no futuro, muito provavelmente. Mas a nova onda, atualmente, que é essa da inteligência artificial, atinge os chamados empregos de colarinho branco. As enfermeiras estão menos ameaçadas, por exemplo, do que os médicos. São as profissões de análise que podem ser automatizadas. Entre um radiologista e um computador, que terá acesso a milhares de imagens para poder comparar um osso a milhares de outros, é evidente que a análise digital será incomparável com aquilo que o radiologista poderá fazer unicamente com os olhos e o cérebro”.

Fonte: RFI/BR

Anúncios

CaseCrunch: O advogado “robô”

Imagem relacionada

Uma disputa bastante inusitada acabou com um sistema de inteligência artificial derrotando competidores humanos e não estou falando de partidas de xadrez – trata-se, na verdade, de um campeonato de advogados que colocou o CaseCrunch Alpha para enfrentar 100 profissionais reais da área. O resultado? Um baile da IA, que obteve uma taxa de precisão de 86,6%, enquanto que as pessoas de carne e osso chegaram a apenas 66.3%.

O CaseCrunch se tornou um sistema capaz de realizar previsões com base em informações sobre os casos e as leis locais

Os advogados e a inteligência artificial receberam informações básicas sobre centenas de casos de venda incorreta de seguro de proteção de pagamento e deveriam prever se o provedor financeiro de justiça permitiria uma reclamação. Foi nessas previsões que o CaseCrunch Alpha se saiu muito melhor que os profissionais de verdade.

De tirar dúvidas a prever

Criada por estudantes de direito de Cambridge, a plataforma funcionava inicialmente apenas como um bot de bate papo que tinha como objetivo tirar dúvidas legais de pessoas. A partir daí, o CaseCrunch se tornou um sistema capaz de realizar previsões com base em informações sobre os casos e as leis locais.

Ainda é muito para dizer se em algum dia os advogados poderão ser substituídos por máquinas, visto que o direito é um assunto sempre bastante subjetivo. Seja como for, se você for advogado, é bom ficar de olho: seu emprego pode estar com os dias contados.

Fonte: TecMundo.

Violinista acidentada há 30 anos volta a tocar graças a tecnologia brasileira

Rosemary Johnson sofreu um acidente de carro em 1988, perdendo os movimentos de seu corpo. Com isso, a violinista nunca mais tinha conseguido tocar seu instrumento favorito, mas, agora, tudo mudou graças a uma tecnologia criada por um brasileiro. Ela voltou a tocar o violino graças a sensores que acompanham o movimento de seus olhos, e também captam ondas cerebrais.

A tecnologia foi desenvolvida por Eduardo Miranda, brasileiro que atua como professor na Universidade de Plymouth, na Inglaterra. Há alguns anos, o professor se dedica a pesquisas que combinam música, computação e biologia, com o objetivo de devolver a capacidade de expressão musical a pessoas com deficiências.

Com o projeto de Miranda, a violinista, que não consegue se mover ou falar, conseguiu selecionar notas exibidas em uma tela, que foram tocadas em tempo real por uma colega sua, a também violinista Alison Balfour-Paul. Uma orquestra foi chamada para tocar a composição de Johnson, e você pode conferir a apresentação no seguinte curta produzido pela Volvo Car UK, que apoia o projeto:

“Quando vi Rosie pela primeira vez, algo estalou. É muito interessante trabalhar com ela. Uma vez que ela é uma musicista clássica, não preciso perguntá-la muitas coisas. Por meio da tecnologia, estamos quase instantaneamente trabalhando no domínio da comunicação musical”, contou o professor. “Trabalhar com ela está nos ajudando a desenvolver e formatar esta tecnologia. É uma mistura maravilhosa entre ciência e criatividade”, completou.

A tecnologia, que ainda está em desenvolvimento, é fruto de uma parceria com o Hospital Real para Deficiências Neurológicas de Londres, e já vinha sendo estudada desde 2003. “A ideia surgiu quando eu li uma notícia que cientistas estavam desenvolvendo métodos para controlar máquinas usando sinais elétricos cerebrais, chamados eletroencefalogramas. Eu achei a ideia fascinante e comecei a investigar a possibilidade de usar esse tipo de tecnologia para criar instrumentos musicais eletrônicos”, explicou o brasileiro.

Apesar de atuar na Inglaterra, Miranda pretende trazer sua tecnologia inovadora para o Brasil. Ele disse que está “em contato com algumas instituições brasileiras para ver se podemos mostrar o trabalho no Brasil no ano que vem”, mas “o trabalho não está pronto ainda para ser usado mais amplamente”. Para conseguir levar a tecnologia adiante, o professor depende da disponibilidade de colaboradores e de financiamentos. Com o caso bem sucedido de Rosemary Johnson, ele espera conseguir esse apoio.

Fonte: BBC

#Expotec2017 – Tá chegando a hora!

De 09 a 11 de agosto acontece a EXPOTEC aqui em João Pessoa. Evento bacana que reune renomados profissionais do nordeste, do Brasil e do mundo até. O local é super agradável (Já conhece o Centro de Convenções de João Pessoa?). Games, Desenvolvimento, Web, Robótica, Educação e muitos outros assuntos são vistos em formato de Palestras, Exposições e Workshop.

Vamos lá? Inscreva-se no site www.expotec.org.br

Homem que batia na namorada é preso após robô da Amazon chamar a polícia

Um homem foi preso no estado norte-americano do Novo México sob a acusação de bater na namorada e ameaçar matá-la após Alexa, a assistente pessoal da Amazon, chamar a polícia, segundo informou o jornal “NY Post” nesta segunda-feira (10).

O caso ocorreu no começo de julho em Tijeras, cidade próxima a Albuquerque.

Eduardo Barros, de 28 anos, discutia com sua namorada, bravo por achar que ela o estava traindo. Após sacar uma arma, ele falou, referindo-se aos policiais.

“Você chamou os xerifes?”

A questão foi entendida como uma ordem pela Alexa, que ligou para os oficiais. A assistente pessoal é uma plataforma de inteligência artificial que roda nos eletrônicos da Amazon, como o Echo, uma caixinha de som que executa ordens após receber comandos de voz. Google, como Google Home, e Apple, com o recém lançado HomePod, também disputam para levar às casas das pessoas aparelhinhos similares.

Segundo Felicia Romero, a delegada-assistente do condado de Bernallilo, não é possível saber qual dos aparelhos da Amazon fez a ligação. Apenas que a chamada para o 911 foi feita por Alexa e efetuada por um número da casa onde a agressão ocorreu.

“Essa tecnologia sensacional definitivamente ajudou a salvar uma mãe e sua criança de uma situação muito violenta”, afirmou Felicia Romero à ABC News.

Segundo o boletim de ocorrência obtido pelo “NY Post”, Barros ficou ainda mais nervoso quando percebeu que a polícia estava ligando para o celular de sua namorada. A partir daí, ele a jogou no chão e deu, pelo menos, uma dezena de chutes no rosto e estômago dela.

De acordo com o relato da vítima à polícia, Barros ficou nervoso por já ter passado pela prisão. Uma equipe da Swat, as forças especiais da polícia, foi enviada ao local, que teve de negociar com Barros para que se entregasse e libertasse a namorada e a filha dela.

Além das agressão, ele terá ainda de responder por porte de arma de fogo e por ter feito as duas reféns.

Notícia extraída do G1 Tecnologia

IFRO ganha destaque por desafio de Robótica

ifro.png

Toda semana é feito um clipping, um apanhado de noticias de todos os institutos federais onde os funcionários e professores recebem as novidades de cada IF de todo o país. Essa semana, todas as notícias foram sobre o evento Desafio IFRO 2016 que reuniu equipes e projetos de Institutos Federais de todo o País. A equipe do IFPB foi vencedora na categoria Robotino. Orgulho em ver meu estado natal recebendo tamanho evento e meu estado atual representando bem o nordeste. Por essa e outras que amo o Norte-Nordeste brasileiro. Veja os destaques do evento:

Definidas equipes que representarão os Institutos Federais em seletiva Nacional da WorldSkills Competition 2017

A equipe do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) foi a grande vencedora na categoria Robotino.

Leia Mais
Sumô de robôs agita Desafio de Tecnologia e Inovação dos IFs

Dois robôs se empurravam para fora de um círculo desenhado no tablado da arena montada no evento.

 

Leia Mais
Equipes de institutos federais buscam vaga para a seletiva nacional da competiçãoWorldSkills

Para alcançar a vaga na seletiva, as equipes deviam obter índices satisfatórios nos três dias de competição.

Leia Mais
DesafioIFRO2016

Mais de 60 alunos do IFRO participam do Desafio de Tecnologia

Além de competir em seis modalidades, alunos da capital e interior de Rondônia aproveitaram o evento para trocar experiências.

Leia Mais
DesafioIFRO2016

Estudantes de escola pública participam de oficina de robótica

Raciocínio lógico, noções básicas de elétrica e eletrônica, foram alguns dos conceitos repassados durante a oficina de robótica.

Leia Mais
DesafioIFRO2016

Mulheres ganham espaço em competição na área de robótica

É cada vez maior o interesse delas pela área, antes território dominado pelos homens.

Leia Mais

 

 

Fonte: Clipping MEC/SETEC

Equipe do IFPB vence disputa de robótica


A equipe “Tatu Guarani” composta por alunos do curso de Engenharia Elétrica do Campus João Pessoa venceu neste fim de semana o campeonato Mercury Remote Robot Challenge realizado em Oklahoma nos EUA.

O grupo foi selecionado a partir de um campeonato interno de robótica realizado pela Diretoria de Inovação Tecnológica e idealizado com o objetivo de incentivar a prática da robótica. “A conquista desse campeonato representa a consolidação da robótica no IFPB e mostra o potencial do nosso grupo”, afirmou o Diretor de Inovação Tecnológica, Fausto Araújo.

Fausto comenta que o ensino da robótica é realizado não só para preparar para competições, mas também para resolução de problemas do dia-dia. “O IFPB sobretudo os campi de João Pessoa e Cajazeiras tem feito um bom trabalho ao disseminar o conhecimento da robótica através dos grupos de pesquisa, voltados não só para competições, como também para outras aplicações”, enfatizou.

O Reitor do IFPB, Nicácio Lopes, recebeu a notícia com muita alegria e externou o sentimento de dever cumprido ao projetar o IFPB em nível internacional e incentivar uma área tão importante para os dias atuais que é a robótica.

Fruto de uma parceria que vem sendo construída com a Universidade de Oklahoma (OSU), ao longo dos últimos três anos, através da Arinter, o IFPB pode enviar duas equipes (uma do campus João Pessoa e outra do Campus Cajazeiras) para a competição internacional. No ano passado o IFPB também viabilizou a ida de duas equipes para a competição e uma delas conquistou o vice-campeonato.

A equipe Tatu Guarani juntamente com a equipe GPCar do Campus Cajazeiras retornam nesta terça-feira (19) à Paraíba.

Fonte: Site Oficial IFPB