Cientistas usaram Python para fotografar buraco negro

Várias bibliotecas da linguagem Python fazem parte dos algoritmos para conseguir a primeira foto real de um buraco negro

Anúncios

Você deve ter ouvido falar na famosa “foto do Buraco Negro” que virou manchete nos noticiários mundo a fora. Pois bem, cientistas por trás desta façanha usaram um novo algoritmo para tirar uma foto de um buraco negro. Uma das partes mais interessantes sobre isso é que eles usaram muitas bibliotecas Python para fazer a mágica.

Abaixo segue uma lista de bibliotecas Python mencionada no artigo deles:

Eles também usaram seu próprio código Python personalizado que está disponível no Github do projeto. Caso você queira ter uma ideia geral de como foi feito isso, o vídeo a seguir tem uma explicação mais leiga das idéias por trás de tirar a foto. Foi gravado durante uma boa palestra TED com uma das pesquisadoras:

Fonte: Python Library blog

NASA dá adeus ao rover Opportunity após 15 anos de missão

Sem ter contato há oito meses, a NASA está se preparando para dar adeus ao rover Opportunity, que está na superfície de Marte. Uma última comunicação por rádio foi tentada pela equipe de engenheiros do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), ainda sem sucesso, o que pode dar fim à missão que já dura mais de 15 anos.

O começo do fim da missão aconteceu em junho do ano passado, quando uma tempestade de poeira – uma das piores já registradas pela NASA – cobriu o céu marciano e, por consequência, os painéis solares do Opportunity. O rover conta com uma bateria interna, mas com a falta de carregamento a energia armazenada foi drenada e a sonda entrou no modo de hibernação.

Os engenheiros tinham esperança de que, com o fim da tempestade, o Opportunity pudesse se reenergizar e voltar a atividade. Porém, desde 10 de junho, quando o rover enviou sua última mensagem indicando que o ambiente em Marte estava incrivelmente escuro e que sua bateria estava quase esgotada, não houve mais contato.

O que quer que esteja bloqueando os painéis solares do Opportunity, não saiu. A equipe do JPL tentou diversos métodos possíveis para fazer contato com o rover, através da rede Deep Space. Uma esperança foi depositada ainda nos meses de novembro a janeiro passado, período particularmente ventoso em Marte, mas a poeira que cobriu o robô é tão densa que mesmo os fortes ventos não limparam os painéis.

Com a chegada do inverno, o destino do Opportunity pode estar selado graças as temperaturas que podem chegar a -40 °C. Quando estava em funcionamento, o rover conseguia se manter aquecido com oito pequenas unidades de aquecimento de plutônio, além de aquecedores elétricos e do calor gerado pelo próprio movimento do robô.

A NASA fará uma coletiva hoje para anunciar o destino da missão. O briefing irá explicar as últimas tentativas planejadas da NASA de se comunicar com o Opportunity e a transmissão poderá ser acompanhada pelo YouTube, a partir das 17h (Horário de Verão de Brasília).

Porém, nem tudo é tristeza. Os dois robôs geólogos Mars Exploration – Spirit e Opportunity – chegaram em Marte em janeiro de 2004, com a missão de procurar e catalogar uma ampla gama de rochas e solos que contêm pistas sobre a atividade da água no passado de Marte. O objetivo era que cada uma durasse 90 dias, mas a Spirit só parou de funcionar quando ficou presa na areia, depois de 6 anos. Opportunity encerra suas atividades com quase 16 anos de vida útil – o rover mais longevo da NASA.

O rover do tamanho de um carro de golfe e viajou mais de 45 km da superfície de Marte e registrou seu 5.000º dia no Planeta Vermelho em fevereiro de 2018. “Quinze anos na superfície de Marte é um testemunho não apenas de uma magnífica máquina de exploração, mas da equipe dedicada e talentosa que nos permitiu expandir nosso espaço de descoberta do Planeta Vermelho”, disse John Callas, gerente de projeto da Opportunity no JPL.

Fonte: Canaltech | NASAThe Verge